Sobre o ACES

Descrição do projecto em Português aqui.

Mozambique April 09

Visão Geral

O Projecto de Pesquisa sobre Mudanças Bruscas nos Serviços de Ecossistemas (Abrut Changes in Ecosystems Services – ACES), examina como a perda de florestas está a mudar os serviços de ecossistemas e o bem estar da população rural e do ambiente em Moçambique. O ACES, irá integrar esta nova informação nas políticas e práticas de uso de terra para aleviar a pobreza rural. Agregados familiares pobres sobretudo nas zonas rurais dependem de forma vital dos produtos e serviços ambientais derivados das florestas. Contudo, pouco se sabe sobre como o impacto da perda de florestas e expansão da agricultura afectam o bem estar rural.

Mudanças graduais no uso de terra podem causar mudanças bruscas ou não lineares nos serviços de ecossistemas e no modo de vida rural, mas, devido à complexidade dos sistemas, os processos ecológicos e sociais chaves continuam obscuros. Melhor política de uso de terra e práticas requerem evidências empíricas sobre os impactos das mudanças de uso de terra no bem estar rural.

ACES irá trazer estas evidências, dentro de um quadro estrutural desenhado para e por actores envolvidos nas decisões relativas ao uso de terra. A pesquisa irá combinar a participação de parceiros na construção de uma rede de trabalho credível com a recolha e análise de uma larga escala de dados sociais e ecológicos ao longo de gradientes e mudanças de uso da terra visando a criação de cenários futuros, através dos quais os impactos poderão ser avaliados. Esta abordagem irá informar a formulação e implementação de políticas que irão influenciar directamente a expansão da agricultura comercial, a intesificação da agricultura familiar, o desenvolvimento rural e o provável custo-benefício na gestão de florestas para a produção de alimentos, energia, madeira, sequestro de carbono e conservação da biodiversidade.

O projecto involve pesquisadores da Universidade Eduardo Mondlane, Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal em Maçambique que irão trabalhar em estreita colaboração com os pesquisadores do Reino Unido (Universidade de Edimburgo) e Instituto Internacional para o Ambiente e Desenvolvimento), do Zimbabwe (Universidade do Zimbabwe), Suécia (Universidade Lund) e do Brasil (Instituto Nacional de Pesquisa Espacial). Este projecto de pesquisa é financiado pelo Governo Britânico e terá a duração de três anos.

Áreas de Estudo

Esperamos trabalhar em três áreas de estudo, cada uma com um gradiente de uma área florestal relativamente não perturbada, para uma área de cultivo intenso. Estas foram provisioriamente seleccionada na base de conhecidos gradientes de mudança de uso de terra, seleccionando áreas com solos e vegetação florestal similares e evitando gradientes que incluam mudanças de uso de terra marcantes historicamente no período colonial.

  • Norte (Província de Niassa, Pacote de Trabalho 2 – Work Packge/ WP2). Esta área de miombo vai do corredor de desenvolvimento de Nacala até a zona tampão da reserva de Niassa.
  • Centro (Manica, WP2&3). Esta área tem uma longa história de agricultura comercial e um maior plano de expansão. Temos um historial de trabalho com empresas comerciais na área. A Universidade Eduardo Mondlane (UEM) e a Universidade de Edinburgo (UOEd) tem vários locais de estudo nesta área, dando acesso aos administradores do distrito e colaboradores locais. MICAIA uma organização nacional parceira do projecto é activa na área, trabalhando com pequenos agricultores a empresas comerciais.
  • Sul (Gaza WP2). É um gradiente de floresta de mopane, dominado pela extração de carvão para fornercer a Maputo. Bandeira (UEM) e LUPA (parceiro do projecto) tem fortes ligações com comunidade e o governo nesta área

Pacote de Trabalho 1: Desenho do quadro analítico

O desenho do protocolo de pesquisa do projecto é crítico. O desenho, produção e entrega de pesquisas é crítica para assegurar o engajamento dos intervenientes e produzir resultados credíveis. Para formalisar o entendimento conceptual dos nosso intervenientes, iremos usar technicas da “Bayesian Belief Network” (BBN). BBNs é umaferramenta ideal para modelagem das causas e efeitos de diferentes factores de mudança, gestão de impactos e outros factores e é também habilitado para representar a incerteza nos sistemas ecológicos-sociais. Eles fornecem um método gráfico de exibir as relações entre variáveis – isto é crucial para apoiar a participação dos intervenientes.

Pacote de Trabalho 2: ligações entre a conservação florestal & degradação e bem-estar.

Este WP irá quantificar a estrutura do ecossistema, função, serviços e bem-estar ao longo de três gradientes. A meta é entender a relação impirica entre estas e determinar que factores mediam o uso de serviços de ecossistemas (ES). Isto irá permitir-nos quantificar os aspectos do ecossistemas que mais fortemente influencia o bem estar ao longo dos gradientes.

Questões de Pesquisa

  1. Como as mudanças nas estruturas dos ecossistemas ao longo da intensificação do gradiente de uso de terra afectam os serviços chaves nas terras da aldeia/comunidade (Produção primária líquida/NPP, ciclo de nutrientes e diversidade)?
  2. Que factores determinam o uso e a dependência dos agregados familiares nos serviços dos ecosistemas de aprovisionamento, regulação e culturais;
  3. Uma vez que os recursos florestais diminuem ao longo do gradiente, como os agregados familiares se adaptam aos reduzidos serviços dos ecossistemas? O que constrange a adaptação?
  4. Como a mudança na disponibilidade dos serviços dos ecossistemas afecta o bem estar dos diferentes grupos de pessoas. Particularmente em termos de pobreza e género?

Pacote de Trabalho 3: compreendendo os impactos da agricultura comercial

A análise da cadeia de comodidade será combinada com o levantamento de dados de agregados familiares para entender como o bem estar rural muda com a expansão da agricultura comercial. A cadeia de comodidade será analisada para culturas de agricultura comercial que se estão a expandir rapidamente (identificadas pelo WP1), exemplo de cana de açúcar, jarthropha e soja.

Questões de Pesquisa

  1. Qual a naturesa da cadeia de comodidade para os novos tipos de agricultura comercial? Quanto em valor advem em cada estágio? Que bens e serviços de ecosistemas são exportados e para onde?
  2. Quais os impactos não ambientais da agricultura comercial para o bem-estar rural?
  3. Que impacto a agricultura comercial tem nos serviços de ecossistemas importantes para o bem estar rural?
  4. Qual o impacto da intensificação da agricultura comercial no pobre nas comunidades rurais do corredor da Beira?

Pacote de Trabalho 4

O WP4 irá entregar uma análise de dados impíricos dos WP2 e 3, estruturados pelo quadro criado pelo WP1. Esta análise irá desenhar as generalidades da ligação entre uso de terra e bem-estar e permitir conclusões a escala nacional. As análises serão primariamente estatísticas, inicialmente usando curvas simples ajustadas e construindo modelo para analisar padrões gerais através e entre os três gradientes de intesificação de uso de terra do WP2.

Questões de pesquisa

  1. Existem mudanças abruptas no bem estar ao longo dos gradientes de intensificação de usos de terra?
  2. Serão os processo de resposta dos agregados familiares e comunidades à perda de floresta generalizados?
  3. Dados os cenários futuros de degradação florestal e expansão da agricultura, qual são os prováveis impactos nos serviços de ecossistemas a escala nacional?

Pacote de Trabalho 5

Explorar as possibilidade das futuras mudanças de uso de terra em Moçambique é um aspecto crítico do ACES. Nós propomos o uso de cenários para desenvolver relatorios, sobre como deve ser o futuro. Tais cenário fornecem uma excelente ferramenta participativa e constituem uma componente chave da estratégia de impacto de ACES. Em ecosistemas de fluxo constantes e com trajectórias difíceis de prever, canários podem ilustrar e explorar uma larga variedade de resultados. Eles possibilitam a integração de elementos ecológicos e sócio económicos (e.g. a evidência impírica e análises conduzidas no WP 2 & 3) e nossos trabalhos anteriores mostram que cenário fornecem aos intervenientes uma versátil ferramenta de decisão , para gestão de uso de terra, algo que os modelos de predição lutaram para conseguir. Deste modo, eles são ideais e adequados para ajudar os intervenientes a extrair as ligações causa e efeito assim como apreciar a escal e complexidade das questões de uso de terra e bem estar. Os cenáriso serão criados seguindo os resultados dos nossos grupos de intervenientes

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s